Buscar
  • Douglas Cortina

Simples Nacional: Lei altera normas do investidor-anjo.

Através da Lei Complementar 182/2021 foram alteradas normas relativas à participação do investidor-anjo nas empresas do Simples Nacional, destacando-se:



O aporte de capital, que era realizado somente por pessoa física, agora poderá ser efetuado também por pessoa jurídica ou por fundos de investimento, conforme regulamento da CVM.


▶️Relativamente à remuneração, as partes contratantes poderão:


✔estipular remuneração periódica, ao final de cada período, ao investidor-anjo, conforme contrato de participação; ou


✔prever a possibilidade de conversão do aporte de capital em participação societária.


▶️Quanto ao resgate:

O investidor-anjo somente poderá exercer o direito de resgate depois de decorridos, no mínimo, 2 anos do aporte de capital, ou prazo superior estabelecido no contrato de participação, e seus haveres serão pagos na forma prevista no art. 1.031 da Lei 10.406/2002 (Código Civil), não permitido ultrapassar o valor investido devidamente corrigido por índice previsto em contrato.


As alterações vigorarão a partir de 30.08.2021.


#direitoempresarial #simplesnacional #investidoranjo #leicomplementar #empresario #investimento #assessoriajuridica


Faça parte do nosso Network, siga-nos em nossas redes sociais e não deixe de se manifestar, seu feedback é muito importante! Publicamos notícias, artigos e modelos de peças toda semana, siga-nos para receber as notificações e as atualizações. https://linktr.ee/TomazellieCortinaadvogados https://www.linkedin.com/in/k%C3%A1ssioaugustotomazelli/ https://www.facebook.com/tomazelliecortinaadv/ https://www.instagram.com/tomazelliecortinaadv/ https://kassiotomazelli.jusbrasil.com.br/ Obrigado!

2 visualizações0 comentário